quinta-feira, 11 de junho de 2015

Documentário: E você?! - 2014

No ano passado tive a grande oportunidade de trabalhar uma Oficina de Cinema com alunos da EJA, à convite do SESC.
 
Com a turma de 2º segmento, com cerca de 8 alunos jovens e adultos, trabalhei o cinema documentário.
 
O primeiro contato que eles tiveram com o assunto, foi através do documentário colaborativo "A vida em um dia" de Kevin Macdonald, que em parceria com Ridley Scott e o Youtube, convocou pessoas do mundo inteiro a enviarem imagens do seu dia, em 24 de julho de 2010, para produção de um documentário experimental que serviria como uma grande cápsula do tempo. 5000 horas recebidas e editadas para uma versão compacta de 1h30.
 
 
Após a exibição de 50% do filme, os alunos foram desafiados a pensar sobre a linguagem documental e seu papel social, além de fazerem um pequeno exercício de esboçar sua rotina escolar, numa tentativa de criar uma narrativa documental e colaborativa.
 
Confira o resultado aqui: (em breve)
 
Os alunos esboçaram ideias, filmaram e editaram ao longo de algumas semanas, iniciando um novo olhar e experiência sobre o universo cinematográfico.
 
 
Após este projeto finalizado, eles assistiram o documentário "Criança, a alma do negócio" de Estela Renner (2012) e debateram questões sobre infância, publicidade e consumismo, além de observar a presença de depoimentos e entrevistas para compor o ponto de vista da diretora do documentário.
 
 
 
Assim, eles foram desafiados a pensar em algumas questões para produzir o próprio documentário.
 
Os pontos de partida foram: "Porque você está estudando?; O que faria com um 1 milhão de reais?; Continuaria estudando se ganhasse esse dinheiro?"
 

A ideia desta atividade era exercitar uma nova linguagem para a pesquisa de conteúdo, formulando perguntas que poderiam revelar pontos de vistas variados sobre o mesmo assunto, fazendo uso de entrevistas e utilizando a edição para recortar e combinar estas falas.
 
Os alunos formularam perguntas, entrevistaram, pesquisaram imagens e editaram ao longo de algumas semanas de aulas.
 
Confira o resultado:
 
 

Documentário realizado por alunos do 2º segmento da EJA - Educação de Jovens e Adultos da Escola Básica Municipal Almirante Carvalhal, na Oficina de Cinema oferecida pelo SESC, ministrada pela Profª Ally Collaço, em Florianópolis, 2014.

Projeto fotográfico: Humans of Escola da Ilha

Este ano, os alunos do 2º ano do Ensino Médio da Oficina de Cinema da Escola da Ilha também foram desafiados a tocar um projeto paralelo que acontece virtualmente, através de uma fanpage chamada Humans of Escola da Ilha, inspirada na fanpage de sucesso mundial Humans of New York.
 
 
 
A ideia é que eles selecionem pessoas da comunidade escolar, composta por pais, alunos, funcionários e professores, mostrando outros lados e histórias, muitas vezes desconhecidas na escola, como o projeto original faz com pessoas da cidade de NY.
 
Aqui em Floripa também existe a fanpage Humans of Florianópolis, que segue uma abordagem semelhante, postando fotos com pequenos depoimentos.
 
 
Aliando composição e uma postura de fotógrafos repórteres, os alunos também precisam manter regularidade na página, saber trabalhar em grupo e solicitar autorizações do uso de imagem dos entrevistados, como se faz no mercado fotográfico e audiovisual.
 
Foi uma excelente maneira de integrar áreas profissionais como a fotografia e o gerenciamento de mídias sociais, além de humanizar pessoas com que convivemos diariamente na escola.
 
Confira algumas fotos/depoimentos já postados na fanpage: 
 
Professor de história - Oto Luna

"Decidi ser professor quando eu estava no primeiro ano do ensino médio, queria colaborar com a educação do Brasil, só não sabia a disciplina... No final escolhi História porque percebi que através da disciplina de história eu poderia colaborar mais com a formação do cidadão. Meu pai não ficou muito feliz quando falei que pretendia ser professor, ele achava que eu iria morrer de fome. Meu hobby é tocar, desde os meus 14 anos de idade sempre gostei, tenho uma banda de rock "Black Jackie" e toco nessa banda há 14 anos."
 
Autores: Luana e Diogo
 

Professor Gean - Espanhol
 
"Como sou professor, pessoas me perguntam como consigo criar meu filho sozinho. Ser professor me ajuda em muitos aspectos, ser pai, e vice-versa. Não tenho nenhuma dificuldade em criar meu filho ou cuidar dele. Ser pai solteiro pode ser visto como difícil, mas na verdade, não é. "
 
Autora: Yasmin

Salete - funcionária

"Trabalho há muito tempo na escola e gosto muito daqui. Quando não estou trabalhando, adoro fazer hidro e cuidar dos meus filhos e da minha mãe. Isso são coisas que realmente me deixam muito feliz"

Autores: Eduarda e Gianluca

Claudio Cardoso (Jamal) - Professor de química
 
"Fora da escola gosto muito de viajar, pois é a única coisa que sobra tempo para fazer, afinal no restante do tempo estou trabalhando, corrigindo provas, etc. Apesar de ser uma profissão desgastante, traz muitos benefícios, como ver os alunos crescendo."
 
Autores: Isabela, Marcos e Hyson

IV Mostra Livre de Fotografia - 2015

Há 4 anos venho trabalhando a sensibilização do olhar através da composição de imagens nas turmas de 2º do Ensino Médio, começando com a fotografia intuitiva, para depois introduzir noções básicas de composição, como a regra dos terços, continuidade visual, contraste tonal, etc.
 
Após se exercitarem bastante, fotografando e analisando as fotos ao longo dos dois bimestres, os alunos são desafiados com alguma temática e montamos um painel fotográfico para socializarmos publicamente o resultado de todo o trabalho.
 
Este ano, os alunos do 2º ano do Ensino Médio da Oficina de Cinema da Escola da Ilha elegeram o tema VIDA URBANA para aliar composição e temática em suas fotografias.
 
  Autora: Eduarda                                  Autora: Isabela

 Autor: Diogo                               Autora: Yasmin

Aqui o público poderá observar o recorte e olhar que cada aluno imprimiu sobre o mesmo tema, de maneira singular e pessoal, numa saída fotográfica realizada durante a aula nas proximidades da escola, e em fotos feitas fora do horário e espaço escolar.
 
 Imagem: acervo pessoal da Saída Fotográfica
 
Imagem: acervo pessoal da Saída Fotográfica
 
O que será que VIDA URBANA representa para cada um deles?
 
Confira algumas fotos:
 
Autor: Gianluca                         Autor: Hyson                             Autor: Marcos
 
 Autor: Leonardo                   Autora: Yasmin                        Autora: Eduarda

 
Autora: Luana 
 
Autor: Diogo                                    Autora: Isabela 

 Autor: Gianluca                              Autor: Marcos
 
Autor: Hyson                              Autor: Leonardo

Alunos Autores: Diogo Barcelos; Eduarda Medeiros Brasil; Gianluca Gerenive Casu; Hyson Fiamoncini Telles dos Reis; Isabela Bertoni Vegas; Leonardo de Albuquerque Pamplona; Luana Menezes Weickert; Marcos Vinicius Tortato; Samuel Martignago e Yasmin Suzanne Hodson.
 
Nossa selfie no dia da Saída Fotográfica! Só faltou o Leo! =)


Curta Documentários 2015

Este ano, as turmas de 8º e 9º anos da Oficina de Cinema da Escola da Ilha estão trabalhando um pouquinho da linguagem do cinema documentário.
 
Estamos utilizando o livro "Luz, Câmera, Ação", da Editora Girassol pensado para o público infanto-juvenil, que divide o cinema em 3 categorias básicas: Animação, Documentário e Ficção.
 
 
 
No livro, são apresentados 6 tipos diferentes de documentário: de natureza e animais; esportivo; relato de viagem; de observação; autoral e biográfico.
 
Em aula, os alunos assistiram trechos e trailers de documentários de cada tipo, como os conhecidos "Nalu pelo mundo - O filme" (2008) como um belo exemplo de documentário esportivo e  "A marcha dos pinguins" (2004) como exemplo diferenciado de documentário sobre natureza, além de um trecho de "Nanook - o esquimó" (1922), primeiro documentário de longa metragem.
 
No início do ano os alunos também assistiram o documentário colaborativo "A vida em um dia" de Kevin Macdonald, que em parceria com Ridley Scott e o Youtube, convocou pessoas do mundo inteiro a enviarem imagens do seu dia, em 24 de julho de 2010, para produção de um documentário experimental que serviria como uma grande cápsula do tempo. 5000 horas recebidas e editadas para uma versão compacta de 1h30.
 
Confira o trailer:
 
 
 
Desafiados a escolherem um tipo de documentário, os alunos se dividiram em 6 grupos, e elegeram os mais diversos temas para se exercitarem no projeto audiovisual.
 
A primeira etapa, em 2 aulas, foi decidir os temas e esboçar um pré-roteiro, já com perguntas e plano de filmagem. A segunda etapa, em 6 aulas, foi fazer as gravações: entrevistas, coleta de depoimentos, pesquisa, imagens para cobrir offs, narrações, etc. E a terceira etapa foi finalizar o roteiro, em 4 aulas, em cima das gravações, para então fazer a edição extraclasse.
 
O projeto levou cerca de 1 mês e meio para ser realizado, com duas aulas semanais com total de 1h40 minutos.
 
Imagem: Acervo pessoal
 
Skate e basquete se tornaram temas de 2 documentários esportivos; a saga dos livros/filmes 'Senhor dos anéis', 'Como fazer um filme?' (inspirado no What´s on da Universal Channel), 'Saneamento básico em Florianópolis' repletos de entrevistas, pesquisa e depoimentos foram temas de 3 documentários autorais; e um vlogger  conhecido do youtube foi tema de um 1 documentário biográfico.
 
Confira os resultados:

Documentário Biográfico:
 
video
 
Documentários autorais:
 
video
 
video
 
Documentários esportivos:
 
video
 
Obs.: Em breve os demais vídeos!! 
 
Obs.: A qualidade dos vídeos está mais baixa para postagem no blog.
 
Os alunos apontaram ruídos e captura dos áudios; perda de material, além de problemas técnicos na edição como os maiores obstáculos em suas produções.
 
Alguns poderiam ter aprofundando mais na pesquisa e nos 'respiros' entre as entrevistas, além de ter tido mais cuidado nos caracteres e narrações dos vídeos, mas o exercício já valeu para compreenderem um pouquinho de uma linguagem tão bacana como a documental, super utilizada no Brasil, mas pouco socializada nas salas comerciais que eles tem acesso!
 
Trabalhar o cinema documentário é uma ótima maneira de associar passado-presente do cinema, utilizando as cenas cotidianas dos Irmãos Lumière como ponto de partida, além de servir para relacionar o cinema com a linguagem da televisão, com as tradicionais vídeoreportagens dos telejornais e os programas de tv com episódios de caráter documental.

Minuto Lumière 2015

Este ano fui convidada pela querida Luiza Lins a dar uma Oficina de Cinema na 14ª Mostra de Cinema Infantil de Florianópolis. E optamos por fazer algo diferente dos anos anteriores, com a Oficina de Minuto Lumière, inspirada na 'hipótese cinema' de Alain Bergala e que venho experimentando há pelo menos 4 anos em diversos contextos educativos.
 
Imagem: Imprensa da Mostra de Cinema Infantil de Florianópolis
 
Com 3 horas de duração, e com uma turminha esperta de 12 crianças entre 7-10 anos, a ideia era apresentar o início do cinema com uma narrativa lúdica, utilizando elementos que ajudassem na fixação de conteúdo pelo grupo: fotografias, plaquinhas, perguntas, participação ativa, exibição dos primeiros filmes, tudo isso foi utilizado para inspirá-los na hora de produzirem seus micro vídeos.
 

 
Imagens: Imprensa da Mostra de Cinema Infantil de Florianópolis
 
"Há quanto tempo existe o cinema? Quem inventou? Como eram os primeiros filmes? Eles tinham histórias?!" foram algumas das questões que os desafiaram a pensar um pouquinho mais sobre o cinema.
 
E após assistirem 8 filmes de curta duração como "A saída da fábrica", "O almoço do bebê", "O regador regado", "A chegada do trem na estação", entre outros, realizados pelos Irmãos Lumière, considerados pioneiros do cinema, enquanto experiência coletiva, a turma foi dividida em 4 trios e cada um ficou responsável em fazer uma releitura dos primeiros filmes do cinema, que eram meras tomadas de cenas cotidianas, sem som direto, com acompanhamento musical, sem cor e de curta duração.
 

 
Imagens: Imprensa da Mostra de Cinema Infantil de Florianópolis
 
Eles tiveram que se organizar para decidir quem iria filmar, onde ficaria a câmera, quem iria atuar, que objetos poderiam ajudar na tomada escolhida, além de precisarem se concentrar nos 10 segundos precisos de gravação, refazendo apenas se fosse necessário.
 
Neste pequeno exercício, sugerido por Bergala, é possível ter um primeiro contato com aspectos da produção cinematográfica como o papel da direção, dos produtores, atores e editores. Exige organização, disciplina e concentração, tão necessários no fazer cinematográfico. E funciona como uma ótima iniciação ao universo cinematográfico!!
 
No final, voltamos para o espaço, onde eles foram desafiados a escrever ou desenhar o que mais gostaram da oficina, enquanto eu montava a versão final do vídeo para socializar com eles e para alguns pais que estavam presentes.

 

Imagens: Imprensa da Mostra de Cinema Infantil de Florianópolis
 
Entre risadas e sorrisos, ficou a certeza de que eles adoraram produzir os próprios filmes e que essa oficina foi só o começo de uma longa trajetória que eles tem pela frente.
 
 
Imagem: Acervo pessoal
 
Confira o resultado final aqui:
 
video
 

sexta-feira, 17 de abril de 2015

Oficina de Cinema no NADE 2015

A Profª Mônica Fantin me convidou mais uma vez para dar uma oficina de cinema para seus alunos do NADE Cinema, Infância e Educação, no curso de Pedagogia da UFSC.
 
 
 Em dois encontros de cerca de 2h40, os alunos puderam conhecer um pouco mais sobre a história do cinema, os primeiros filmes, o início da linguagem cinematográfica e alguns grandes marcos como a vinda do som e da cor.
 
Em nosso segundo encontro, apresentei o Minuto Lumière, exercício proposto por Alain Bergala em seu livro "A hipótese cinema", referência importante nas pesquisas que envolvem Cinema e Educação, e exercício que venho trabalhando em diversos contextos educativos, com diferentes faixas etárias e níveis de aprendizado, como estes aqui e aqui.
 
Os alunos do NADE foram então desafiados a produzirem 1 tomada de alguma cena cotidiana com duração de 10 segundos, sem cor, sem som direto e com a câmera parada.
 
É uma atividade simples, mas com grande potencial para iniciar os alunos ao cinema, como afirma Bergala. Se o tempo passar, é preciso refazer a tomada. Se for gravada com a câmera do celular na vertical, também é preciso refazer. Exige concentração, planejamento prévio, experimentação, organização e disciplina, pois o tempo dado para gravação dessa tomada foi de apenas 10 minutos.
 
Reunidas as tomadas, editamos em coletivo no Windows Movie Maker projetado no telão e pudemos visualizar o resultado. Confira abaixo:
 
video

A atividade também é uma ótima oportunidade para trabalhar noções de edição com a turma.
 
 
E apesar do pouco tempo, foi possível perceber a diversidade de olhares sobre o espaço da universidade. As salas, o banheiro, a calçada, a (favorita) cantina e os corredores.
 
Se exibirmos esse vídeo nos próximos anos, teremos uma percepção semelhante aos vídeos dos Irmãos Lumière. Como era a universidade na época, como as pessoas se vestiam, o que faziam, o que comiam. E ao questionar os alunos se produzir imagens do cotidiano ainda era comum atualmente, os alunos apontaram o uso em reportagens e vídeos caseiros, como o caso das intercambistas portuguesas que enviam seus vídeos da estadia no Brasil para amigos e familiares.
 
Com a popularização dos smartphones, a cena cotidiana se tornou novamente protagonista, como ocorreu com a criação do cinematógrafo dos Irmãos Lumière.
 
Este foi o gancho para comentar sobre o documentário colaborativo "A vida em um dia" de Kevin Macdonald, que em parceria com Ridley Scott e o Youtube, convocou pessoas do mundo inteiro a enviarem imagens do seu dia, em 24 de julho de 2010, para produção de um documentário experimental que serviria como uma grande cápsula do tempo. 5000 horas recebidas e editadas para uma versão compacta de 1h30.
 
Confira o trailer:
 
 
Aproveitando nosso contexto e com pouco tempo, propus que os alunos pensassem em 12 tomadas, retratando sua rotina na universidade e coletivamente construímos um esboço para ser filmado em apenas 10 minutos.
 
 
 4 grupos ficaram responsáveis por fazer 3 tomadas cada um. Foi preciso agilidade, disciplina, organização, colaboração de equipes, produção de objetos, planejamento e execução. Habilidades fundamentais no contexto educativo e no próprio cinema.
 
Feita a edição coletiva no Movie Maker projetado no telão, os alunos puderam visualizar o resultado de seu trabalho. Confira abaixo:
 
video
  
Na socialização final, alunas comentaram que a experiência do fazer as fizeram ter mais vontade de experimentar a edição e a produção de imagens; outras que a experiência foi divertida e trouxeram um novo olhar sobre os bastidores do cinema; outros alunos comentaram sobre a diversidade de olhares e escolhas da turma para cada tomada; e como em tão pouco tempo foi possível produzir coisas bacanas, que poderão inspirar em suas práticas em sala de aula e trabalhos na universidade. 
 
Trabalhar com cinema é mágico, e com exercícios tão simples é possível promover uma iniciação e contagiar os alunos a se aproximarem cada vez mais do universo cinematográfico, minha grande paixão e motivação! =)

segunda-feira, 6 de abril de 2015

Oficinas de Cinema 2015

Já faz 8 anos que atuo como professora de cinema na Escola da Ilha e muita coisa já rolou nessa experiência fantástica. Depois de anos com atuação intuitiva, nos últimos 3 anos, após a defesa do Mestrado em Educação (UFSC), com ênfase no ensino de cinema na escola, cheguei a uma abordagem possível para 'iniciar' os alunos ao universo mágico do cinema.
 
Acervo pessoal: fotos da oficina em 2014
 
Nas turmas de 8º e 9º anos, trabalhamos com o Primeiro Cinema, em suas 3 categorias: animação, ficção e documentário. E este ano, para começar a oficina, os alunos foram desafiados a pensarem em 3 takes de até 10 segundos, que respondessem às perguntas "O que você ama?", "Do que você tem medo?" e "O que você tem no bolso/bolsa?", retiradas do documentário colaborativo "A vida em um dia" de Kevin Macdonald (2010).
 
 
A ideia era experimentar o planejamento básico, filmagem e edição de cenas cotidianas, que poderiam ser inseridas num documentário que retrataria aspectos culturais (e locais) da turma.
 
Confira alguns dos vídeos:
 
video
Autor: Marcelo Schüler - 8º ano
 
video
Autor: João Pedro - 8º ano
 
video
Autora: Maria Eduarda - 8º ano
 
Ao socializarmos os vídeos editados, os alunos puderam perceber que em seu contexto, a maioria carregava celulares e fones de ouvido nos bolsos; muitos tem medo de insetos e a maioria ama seu computador pessoal, diferente de outros contextos culturais, econômicos e sociais.
 
Já no 1º do Ensino Médio, em aulas de apenas 50 minutos, os alunos estão sendo apresentados gradativamente à linguagem (persuasiva) da publicidade, em seus aspectos básicos, como:
 
Instituição/Marca - Produto/Serviço/Ideia - Objetivo - Estratégia - Público-alvo
 
E o primeiro exercício intuitivo foi a criação de um comercial de até 15 segundos, com uso máximo de 5 takes.
 
Confira dois exemplos produzidos:
 

video
Alunos: Paul, Gabriel Phillips e Vinícius
 
video
Alunos: Pedro Martins, Doni e Rafael
 
A ideia era que o exercício captasse o conhecimento intuitivo que os alunos já detém sobre esta linguagem, para que posteriormente possam desconstruí-la e reconstruí-la com um olhar mais crítico e aprofundado.
 
Os alunos também analisaram 3 comerciais no youtube, tentando decupar sua estrutura, ainda de forma intuitiva.
 
Confira um exemplo de análise:
 
Aluno: Pedro Martins - 2EM
 
Comercial escolhido:
 
Marca: Coca-Cola
Produto: Refrigerante de Cola
Objetivo: Vender o refrigerante
Estratégia: Mostrar como alguém é atraído pelo refrigerante no inconsciente, mesmo dormindo.
Público-alvo: Bebedores de refrigerantes, público geral.
Slogan: "Open Hapinnes" (Abra a Felicidade)
 
Já no 2º ano do Ensino Médio, também em aulas de 50 minutos, os alunos tem contato com a linguagem da fotografia e as regras básicas de composição visual.
 

Acervo pessoal: alunos do 2EM em 2014.
 
Este ano, num primeiro momento, os alunos foram desafiados a fotografarem temas com seu conhecimento intuitivo, e após socialização e análise das próprias fotografias, aprenderão aspectos básicos da composição visual, que gradativamente irá se incorporar a um olhar mais crítico e reflexivo diante do universo visual que os cerca.
 
Confira algumas fotos produzidas pelos alunos e seus respectivos temas:

Aluno: Gianluca - Tema: Cores

Aluna: Isabela - Tema: Folhas

 Aluna: Yasmin - Tema: Livros
 
 Aluna: Eduarda - Tema: Intervalo

Aluno: Marcos - Tema: Fuga